Botões

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Aluno não é cliente! *

Ficou chocado? Pois vou repetir: ALUNO NÃO É CLIENTE! O conceito de cliente vem do latim cliens: pessoa que tem acesso a um produto ou serviço mediante pagamento. Educação não é comércio, Educação não é produto, Educação não é prestação de serviço.

Educar é a ação de promover a Educação, que compreende todos os processos, institucionalizados ou não, que visam a transmitir determinados conhecimentos e padrões de comportamento a fim de garantir a continuidade da cultura de uma sociedade. No sentido mais amplo, educar é socializar, é transmitir os hábitos que capacitam o indivíduo a viver numa sociedade.

Aluno não é cliente, porque para se aplicar um processo sério de Educação, nem sempre vamos conseguir agradá-lo como um real cliente deve ser agradado durante todo o processo. Quando entramos em uma loja, esperamos ser bem atendidos e bajulados do momento que entramos, que colocamos o pé na loja, até a porta, onde o vendedor tem por obrigação e o hábito de nos acompanhar até a saída.

Em uma escola, nem sempre isso acontece. O aluno tem que ser educado e isso, às vezes, é um processo dolorido, pois nem sempre ouve o que quer, já que o interesse maior não é agradá-lo e sim educá-lo, torná-lo melhor, melhor pessoa, melhor ser humano, para que possa evoluir.

O aluno quer um professor de muito conhecimento e vivência. Prática e vivencia só se obtêm por meio de experiências que muitas vezes o aluno ainda não experimentou.

Nem sempre o discente aceita de forma fácil ou amigável a essência do professor, que é de quase um pai, do ponto de vista de responsabilidade. Pelo menos é isso que se espera desde a educação fundamental até a superior. Um educador é uma pessoa disposta a transmitir a seu educando conhecimento e vivência, o que é doloroso para ambos.

Entretanto, o que importa realmente é o resultado final, a evolução do educando, que, nos níveis superiores, resulta no aluno se tornando um grande profissional e fazendo diferença em sua vida e na sociedade.

Penso dessa maneira por causa dos meus 26 anos docência, como professor. Por vezes, muitos de meus alunos que me odiaram, hoje são grandes amigos e profissionais de sucesso.

Muitos se chatearam comigo, mas eu não os bajulei, eu não os agradei, eu fiz o que era melhor para que eles se tornassem os melhores, os mais capazes, os mais fortes. Ou seja, se eu tivesse aplicado a eles o conceito puro de cliente, eu iria me preocupar em agradá-los e não em torná-los os melhores!

O mundo não é um mar de rosas, o mundo é um campo de batalhas, onde apenas os mais fortes vão sobreviver e não há lugar para pessoas mimadas.

Se o aluno quer ser bajulado, não serve para ser meu aluno, pois nosso foco é fazer dele o melhor. Essa cultura é tão verdadeira que os melhores alunos se tornam nossos professores.

Educar não é vender conhecimento, educar é preparar o aluno para os desafios de um mundo que avalia não por todos os acertos, mas pelo único erro. Num único erro um médico mata seu filho, em um único erro um engenheiro derruba um prédio, uma ponte e mata centenas de pessoas, em um único erro um economista quebra um país inteiro. Não podemos tratar a educação como um comércio e os alunos como clientes que precisam ser agradados e bajulados, porque a finalidade de educar é preparar e não agradar. O processo de formação e preparação nem sempre é agradável, mas os fins justificam os meios, e o que realmente vale é se tornar o melhor ou estar entre eles.

Portanto, aluno não é cliente e Educação não é comércio. Entendeu ou eu vou ter que desenhar?


* Darwin Pacheco Júnior é professor, especialista em educação superior, é fundador da Dalmass Serviços Educacionais, empresa de Pós-Graduação 100% presencial, líder de mercado no Norte do País.

** Articulando esclarece que o conteúdo e opiniões expressas nos artigos assinados são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a opinião do coletivo de educadores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário