Botões

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

MEC vai continuar agindo com rigor na expansão do ensino superior

O resultado do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) em 2012 indica que, de modo geral, os cursos de instituições de ensino superior avaliados avançaram em direção à qualidade, na avaliação do ministro da Educação, Aloizio Mercadante. Ele reconheceu, no entanto, que embora 70% deles tenham obtido conceito satisfatório (superior a 3, em uma escala que vai até 5), 30%, formados principalmente por cursos de faculdades isoladas, tiveram conceitos 1 e 2, considerados insuficientes pela pasta. Em 2009, quando foram avaliados os mesmos cursos, o percentual que apresentou nota insatisfatória foi 24,9%.
 
O Conceito Enade é um dos indicadores de qualidade da educação superior brasileira e corresponde a cerca de 70% da composição do Conceito Preliminar de Curso (CPC), que, segundo o MEC, será divulgado no final deste mês. Para calcular o CPC, a pasta também considera a infraestrutura e a equipe de profissionais de educação. A comparação foi feita com os dados de 2009, porque um mesmo grupo de cursos é avaliado a cada três anos.


"O sistema avançou em direção à qualidade, mas ainda temos uma parcela de cerca de 30% [de cursos] com notas 1 e 2, que são insuficientes. Na avaliação dos cursos especificamente, daqui a um mês, aqueles que tiraram nota 1 e 2 poderão ter os vestibulares suspensos. Nós vamos continuar com o mesmo rigor, porque queremos expandir o sistema, mas tem que expandir com qualidade", disse o ministro. Ele ressaltou que, atualmente, cerca de 7,2 milhões de alunos estão matriculados em universidades brasileiras e mais 7,2 milhões querem entrar.


Mercadante também destacou que as universidades públicas continuam com desempenho melhor no Enade do que as instituições privadas. Enquanto entre as públicas, 17% obtiveram nota máxima em 2012, tendo saltado de 4,3% em 2009; apenas 3,5% das universidades privadas tiveram nota 5 no ano passado, sendo que em 2009 0,4% delas conquistaram o patamar.


O ministro da Educação ressaltou que este ano os alunos que farão o Enade deverão permanecer pelo menos uma hora no local de prova para ter a participação considerada, o que é fundamental para obtenção do diploma de graduação. Em 2012, a prova teve 20% de abstenção. Este ano, o exame será aplicado no dia 24 de novembro, quando serão avaliados 4.916 cursos ligados à área da saúde - como medicina, farmácia, zootecnia e educação física. A expectativa do MEC é que cerca de 200 mil estudantes façam a prova.


"Cada vez mais o mercado de trabalho olha o desempenho no Enade, portanto tem um valor estratégico. O empenho deles [dos estudantes] em fazer um bom Enade ajudará a valorizar seu currículo, o seu diploma e a sua vida profissional", disse o ministro.


Em 2012, foram avaliados, por meio do Enade, 7.228 cursos. Para o conceito, no entanto, foram consideradas 6.306 unidades de cálculo, já que uma mesma instituição pode ter mais de um curso na mesma área.


Fonte: Agência Brasil, em 7/10/2013.

Um comentário:

  1. Ante a precarização dos trabalhadores em educação(categoria da sociologia contemporânea que estuda alguns aspectos das condições de trabalho)considero:
    Deveria haver uma pesquisa sobre a desvalorização de professores por professores,por exemplo, que falasse de quanto o professor que vai estudar,se qualificar é discriminado por colegas que não optam pelo mesmo caminho com a desculpa mediocre de sentirem-se ameaçados;também seria interessante saber como se abrem as vagas e postos de trabalho relativo á docência e pesquisa no ensino superior,etc...se quiserem uma coordenação de grupo de trabalho, o SINPRO pode me convidar.(comprometo-me a pagar todas as mensalidades atrasadas.)
    Saudações.
    profa.Dra.Angeli Rose
    (espero que publiquem comentário)

    ResponderExcluir