Botões

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Saúde e educação puxam queda inédita de diplomas no Brasil

Cursos como enfermagem, farmácia e odontologia entregaram 13,4% menos diplomas em 2013 em comparação com 2012. Em cursos de formação de professores, verificou-se uma baixa de 10%.
Em ambas as áreas, a redução de estudantes que concluíram o ensino superior foi maior do que a média de 5,65% de todos os cursos.

Em 2012, foram entregues 1,05 milhão de diplomas; no ano passado, 991 mil, de acordo com o censo apresentado pelo Ministério da Educação em setembro.

Foi a primeira vez que caiu o número de formandos desde 2002, quando teve início a série histórica.

O MEC (Ministério da Educação) afirma que a queda se deve a ações de fiscalização em faculdades, entre outros motivos.

Especialistas apontam como fatores de desestímulo para a formação em saúde e educação baixos salários e estrutura e gestão precárias, principalmente em cidades do interior do país.

MENOS PROFESSORES

O MEC (Ministério da Educação) informa o número de concluintes por áreas, e não por cursos, seguindo o padrão da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

A área de saúde e bem-estar abrange graduação em medicina, enfermagem, farmácia e odontologia, entre outras. No ano passado, voltou ao patamar de 2009 com cerca de 140 mil diplomas. Em 2012, a área havia computado 162 mil graduados.

Segundo o pesquisador Ronaldo Mota, secretário de ensino superior do MEC entre 2007 e 2008, estudantes de medicina não costumam deixar o curso, mas o processo é mais frequente em graduações como enfermagem, fonoaudiologia e fisioterapia.

A área de educação já tinha apresentado redução de 6,37% no número de graduados de 2011 para 2012. Em 2013, houve nova queda, desta vez de 10% –de 223 mil diplomas para 201 mil.

"É preocupante. O Brasil não tem nenhuma possibilidade de desenvolvimento sem um número de profissionais com curso superior muito acima do que tem hoje. É um país não competitivo internacionalmente", diz Mota, atual reitor da universidade particular Estácio de Sá.

GARGALO

O principal gargalo para a expansão da educação superior está na baixa qualidade do ensino médio, concordam especialistas.

Menos concorrida, a área de educação é a porta de entrada "mais fácil" para estudantes com histórico escolar "frágil" e restrições socioeconômicas, afirma Mozart Neves Ramos, integrante do Conselho Nacional de Educação.

"Apesar do brilho nos olhos, os meninos chegam com muitas deficiências", diz.

Os cursos de licenciatura são, em geral, noturnos, permitindo o trabalho durante o dia. Para Neves, ao enfrentarem dificuldades curriculares já nos primeiros anos de faculdade, os alunos desistem.

PRIVADAS

Com 77% dos alunos formados, a rede privada liderou a baixa de diplomas, com queda de 6,3% em relação a 2012. As instituições públicas tiveram redução de 3,48%.

No ensino à distância, que formou cerca de 15% dos alunos no ensino superior, ocorreu o oposto. Enquanto a rede pública entregou 34,5% menos diplomas no ano passado, a privada manteve-se praticamente estável.


Fonte: Folha de São Paulo, em 13/10/2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário