Botões

segunda-feira, 3 de abril de 2017

“Edital de Gestão Escolar para Equidade – Juventude Negra”

Foram anunciados na segunda-feira (13/3) os dez projetos selecionados na 2ª edição do “Edital de Gestão Escolar para Equidade – Juventude Negra”, uma iniciativa do Baobá – Fundo para Equidade Racial, Instituto Unibanco e Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Dois projetos apresentados por escolas da zona norte do Rio de Janeiro foram escolhidos para participar. São eles: “Um Olhar para a Consciência”, que vai atender alunos do CIEP 173 Rainha Nzinga de Angola, de Acari; e “Meus Cabelos Enrolados Me Fazem Refletir” do Instituto de Educação Carmela Dutra, em Madureira, em parceria com a organização social Criola.

O objetivo do edital foi selecionar projetos de gestão escolar voltados à promoção da equidade racial em escolas públicas do Ensino Médio de todo o País. No total, foram inscritos 185 projetos de 24 Estados e do Distrito Federal, um crescimento de 50% em relação à primeira edição do edital, realizada em 2014. Desse total, 10 iniciativas foram selecionadas e serão desenvolvidas com apoio técnico do Baobá – Fundo para Equidade Racial, do Instituto Unibanco e da Universidade Federal de São Carlos. Cada uma receberá até R$ 35 mil para financiar suas atividades. Todos os projetos, obrigatoriamente, serão realizados em escolas públicas de Ensino Médio, e podem contar com apoio de universidades ou organizações sociais em sua implantação.

Como já ocorreu na primeira edição, o edital identifica, reconhece e acompanha os projetos que buscam contribuir para o desenvolvimento e implementação de práticas capazes de elevar os resultados educacionais dos jovens negros e negras do Ensino Médio.

Para o superintendente executivo do Instituto Unibanco, Ricardo Henriques, os projetos selecionados buscam contribuir para a construção de uma sociedade socialmente justa e transformadora. “A valorização da diversidade é um constitutivo das sociedades democráticas e possui potência de transformação, na medida em que possibilita a construção de arranjos sociais inclusivos e inovadores. Para que não se transformem em desigualdades é necessário afirmar, reconhecer e valorizar as diferenças” diz Henriques.

Projeto Um Olhar para a Consciência – de Acari

O CIEP 173 Rainha Nzinga de Angola tem 678 alunos no Ensino Médio, dos quais 360 são negros. O CIEP 173 fica na comunidade de Acari, na zona norte, e os alunos, em sua grande maioria, são oriundos de famílias com características multirraciais. Há dois anos, o CIEP começou a desenvolver o projeto “Um Olhar para a Consciência”, motivado pela grande quantidade de situações e relatos de racismo feitos pelos alunos.

Com a continuidade do projeto, a escola pretende realizar um censo escolar para levantar dados gerais dos alunos e traçar um perfil detalhado da comunidade incluindo a relação com as questões raciais. O CIEP 173 pretende oferecer formação continuada aos professores para valorizar a identidade negra e está prevista a inclusão da disciplina “Diversidade Cultural” na grade curricular Serão promovidas atividades para valorizar a cultura afro-brasileira, dando atenção especial a manifestações e tradições culturais. Para ampliar o conhecimento e a visão crítica sobre a história do povo negro, os alunos também terão acesso a centros históricos, museus, palestras, documentários, filmes e vídeos.

Projeto Meus Cabelos Enrolados Me Fazem Refletir - Madureira

O Instituto de Educação Carmela Dutra tem 930 estudantes no Ensino Médio, dos quais 90% são mulheres e 70% dos alunos são negros. A escola fica no subúrbio de Madureira, na zona norte do Rio, e é conhecida por seu Curso de Formação de Professores. A unidade funciona em dois turnos e atende jovens oriundos de famílias de baixa renda que vivem nas comunidades do entorno, como o Morro do Cajueiro, o Morro da Serrinha e a Comunidade São José. O projeto “Meus Cabelos Enrolados me Fazem Refletir” será realizado em parceria com a organização social Criola, que desde 1992 atua na defesa e promoção dos direitos das mulheres negras no enfrentamento do racismo e nas questões de gênero, entre outras ações.

O projeto propõe 28 oficinas que abordarão temas como o enfrentamento do racismo, questões estéticas, defesa de direitos e o uso de ferramentas multimídia. As oficinas devem atender 300 jovens de 15 e 18 anos. A metodologia envolve a construção de narrativas pessoais e coletivas, utilizando recursos de tecnologia da informação e comunicação para transformar os relatos em produto multimídia. Ao final será realizado um festival para a exibição desse material, com o envolvimento de todos os alunos da unidade e aberto à comunidade.

A aposta do projeto é que esse exercício contribuía para uma reflexão sobre o racismo e o sexismo e possibilite a adoção de novas práticas de gestão, alterando a percepção da escola sobre as estudantes negras e suas potencialidades.

Sobre o Baobá

O Baobá – Fundo para Equidade Racial é uma organização da sociedade civil em fase de construção e consolidação do seu fundo patrimonial, que tem como objetivo, em longo prazo, se tornar sustentável e ter receita própria para apoiar as iniciativas em prol da equidade racial.

Fundado em fevereiro de 2011, o Baobá é uma associação sem fins lucrativos, cuja meta é estimular o crescimento da cultura de justiça social e filantropia, baseado em ações éticas, justas e efetivas para a transformação social do país. Para cumprir sua missão, definiu alguns eixos estruturantes de atuação na sociedade brasileira, a partir da análise das demandas mais emergenciais para a promoção da equidade racial: Desenvolvimento Econômico, Comunicação, Combate à Violência Racial, Participação Política, Fortalecimento Institucional de Organizações do Movimento Negro e Educação, sendo este último um elo de extrema importância para impulsionar os demais eixos estruturantes e, assim, contribuir para construção de uma sociedade mais justa e democrática.

Sobre o Instituto Unibanco

Fundado em 1982, o Instituto Unibanco é uma das instituições responsáveis pelo investimento social privado do conglomerado Itaú Unibanco e busca contribuir para a melhoria da qualidade da educação, por meio do fortalecimento da gestão escolar com foco na melhoria do Ensino Médio. Atualmente, concebe, avalia e dissemina soluções voltadas para essa etapa do ensino para ampliar as oportunidades educacionais dos jovens, em busca de uma sociedade mais justa e transformadora.

O Instituto Unibanco concentra a sua atuação no aprimoramento da gestão escolar, fomentando a geração de conhecimentos que melhorem a qualidade da educação e a efetividade das políticas públicas, contribuindo assim para a redução das desigualdades.

Por meio de iniciativas como este Edital promove reflexões e subsídios para que a gestão escolar reconheça, valorize e promova ações em prol da equidade e diversidade nas escolas públicas de Ensino Médio.

Sobre o Núcleo de Estudos Afrobrasileiros da Universidade Federal de São Carlos

O Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (Neab) da Universidade Federal de São Carlos foi criado em 1991, por iniciativa de professores, estudantes, servidores e de militantes do Movimento Negro da cidade de São Carlos/SP. Desde sua criação, o Neab tem desenvolvido atividades de pesquisa, ensino e extensão. Seus objetivos são: realizar estudos cujos resultados possam ser aplicados na formulação e execução de políticas públicas de promoção da equidade racial; estudar e divulgar a realidade dos descendentes de africanos na sociedade brasileira; analisar as relações interpessoais, culturais, sociais, econômicas mantidas pelos descendentes de africanos com outros grupos étnico-culturais com quem convivem, com vistas a criar mecanismos de combate ao racismo e as discriminações; registrar a memória social afro-brasileira; promover a formação de professores, agentes comunitários e outros educadores, para que promovam atitudes de respeito às culturas dos grupos de diferentes etnias e classes sociais presentes na escola, bem como organizem programas e materiais de ensino que visem ao diálogo entre estas culturas e que a escola tem por meta transmitir.

Mais informações:

Analítica Comunicação - Assessoria de Imprensa do Instituto Unibanco

Tel. (11) 2579-5520

Rení Tognoni (reni@analitica.inf.br)

Fabio Bittencourt – (fabio.bittencourt@analitica.inf.br)

Nenhum comentário:

Postar um comentário